21 maio 2018

Gestão com Pessoas e o Lúdico | Quer conhecer alguém, convide-a para jogar!

Por: Carina Diniz

Aproveito o gancho da Copa para falar de como os jogos podem contribuir para o papel do RH na construção e desenvolvimento de equipes mais unidas, comprometidas e felizes, permitindo olhar tanto o indivíduo  de forma isolada como o indivíduo inserido em uma coletividade.

22

Para falar sobre o tema tomo como base o meu aprendizado com a Gincana de Integração que conduzi ao longo de 5 anos.

Num tempo não tão distante tive a oportunidade de conhecer e conduzir uma Gincana de Integração para colaboradores. A mesma era uma iniciativa  de um grande grupo em que eu trabalhava, em comemoração ao dia do trabalhador. Pois bem, a programação da minha primeira Gincana consistiu basicamente em reproduzir o que havia acontecido na anterior. Equipes  que disputavam entre si jogos, ao longo do dia, tendo para a equipe vencedora uma premiação em dinheiro dividida entre os integrantes.

Em conversa com as psicólogas das outras unidades, chegamos ao consenso que ao invés da bonificação em dinheiro, faríamos uma comemoração para as equipes campeãs. Partimos do princípio que o objetivo era integrar  e o dinheiro seria um estímulo voltado a competição em si. Pois bem isso desmotivou muitos, e  então ouvia-se “O QUE EU VOU GANHAR COM ISSO?”

Olha que interessante uma pequena intervenção e surge uma informação significativa.

teste4

Vamos trazer “O QUE EU VOU GANHAR COM ISSO?”para o dia a dia, afinal  não se ganha sempre, o mercado é competitivo e variável…

  • E se pintar uma crise?
  • Quem realmente estará engajado?
  • E se precisar fazer corte de pessoal?
  • Quem estará lá?

Em outras palavras: “Quem realmente está comprometido com a empresa?”

A Gincana nem mesmo começou  e já temos um indicador de COMPROMETIMENTO piscando. Nesse momento já olhei com outros olhos para a Gincana e comecei a pensar no que ela poderia trazer de contribuição para nossa gestão de pessoal.

De qualquer forma, a Segunda Gincana de Integração aconteceu, a minha primeira, após dez horas de atividades,  foi finalizada com sucesso.

Tá! Não foi bem assim. Afinal jogo é jogo, tem disputa, juiz “ladrão”, falta aqui, falta ali, e tudo aquilo. Tivemos um empate técnico entre duas equipes. Sabe como é BRINCAR com gente grande (risos).

Então, corrigindo, ao final do dia a Gincana terminou da melhor forma possível. Além do cansaço físico, a cabeça ficou a mil pensando nas inúmeras possibilidades para a próxima edição.

Para comemorar fizemos um jantar  e entregamos para cada integrante um porta retrato com uma foto sua em algum momento da Gincana.

Após a confraternização o “O que eu vou ganhar com isso?” foi substituído por: “Ano que vem eu também quero um porta retrato com uma  foto minha”

Opa! Um novo dado aparece aqui: Olha o pedido de reconhecimento/validação aparecendo.

E seguem os jogos….

Para a terceira Gincana, comecei a pensar cá com meus botões:

Se o objetivo é integrar os colaboradores e as empresas, um dia de brincadeira não atinge o objetivo estabelecido. A Gincana pode ser uma ferramenta incrível,  se a usarmos a nosso favor. E assim começamos a moldar. Vale ressaltar que nesse momento passamos a ter  uma equipe de recreadores que abraçou a proposta e ajudou muito nessa construção.

A Gincana que acontecia em um dia, passou a acontecer ao longo de um mês até chegar o grande dia que marcava o final da Gincana.

Provas eram lançadas a todo momento e as equipes com seus respectivos líderes, convidados pelo RH, se desenrolavam para fazer acontecer. No início eram provas simples, que dava o movimento para os integrantes se relacionarem, mas ao passar dos anos foram ficando mais elaboradas visando não só a interação.

O objetivo era integrar, envolver e nesse brincar trazer movimento para a empresa, além de possibilitar ao RH cuidar do Clima Organizacional na prática.

 

Alguns pontos podem ser observados, como:

  • Quem participa?
  • Quem puxa para trás?
  • Quem confia?
  • Quem se envolve?
  • Quem se destaca?
  • Quem ocupa um cargo e deveria estar em outro?
  • Quem agrega?
  • Quem influencia?
  • Quem analisa?
  • Quem cumpre?
  • Quem manda?
  • Quem trabalha em equipe?
  • Quem reconhece?
  • Quem se responsabiliza?
  • Quem se omite?
  • Quem gera conflito?
  • Quem media soluções?
  • Quem trapaça?
  • Quem é leal?
  • Quem dá seu algo mais?
  • Quem cumpre o protocolo?
  • Quem está ali só pelos ganhos?
  • Quem muda de opinião?
  • Quem quer estar lá na frente e luta por isso?
  • Quem quer estar lá na frente, mas tanto faz?

Alguns dos benefícios que podem ser experimentados:

  • Descoberta de Talentos
  • Identificação de perfis
  • Integração e fortalecimento da equipe
  • Desenvolvimento de Líderes
  • Trabalhar Missão, Visão e Valores
  •  Desenvolvimento de consciência social
  • Aumento na aliança entre RH e colaboradores
  • Leveza para o dia a dia
  • Multiplicar Processos
  • Desenvolvimento e Execução de Projetos

LEMBRE-SE: Quando a felicidade é levada para a organização, o rendimento pode ser muito maior e melhor para todos.

 

brunch (26)

“Você pode descobrir mais sobre uma pessoa em uma hora de brincadeira do que em um ano de conversa.” Platão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *